segunda-feira, julho 31, 2017

Arquitetura industrial








A arquitetura das indústrias americanas foi muito importante para o desenvolvimento do estilo industrial, seguindo traços rústicos e, ao mesmo tempo, modernos.


As características do estilo tendem a transmitir conceitos mais rígidos e aparentemente menos aconchegantes. Por isso, muitas vezes pode ser difícil encontrar o equilíbrio entre a estética industrial e a elegância.

Porém, vale a pena apostar na tendência para alcançar o visual industrial chique e construir espaços charmosos e contemporâneos.

Pensando nisso, separamos as principais características que podem ser aproveitadas,

O estilo industrial



A tendência urbana começou no meio do século XX, por volta de 1950. A cidade de Nova York foi o palco para a expansão do estilo industrial, que surgiu com o aproveitamento das instalações de fábricas, galpões e garagens.

A estrutura rígida das construções também era bruta, isto é, sem revestimentos e com as instalações elétricas e hidráulicas aparentes, contrastando com o visual protegido e acomodado do interior das estruturas residenciais e comerciais mais tradicionais.

A proposta era, justamente, empregar tais espaços em uma nova modalidade de moradia: os lofts. As estruturas amplas permitem espaços integrados e com ar moderno, fora do padrão.
Características marcantes

O estilo pode ser reproduzido de várias maneiras, permitindo inúmeras releituras e podendo ser adotado em todos os ambientes de uma residência, por exemplo — sem contar com as aplicações em edifícios comerciais e escritórios.

O industrial transita entre o estilo clássico antigo (com o uso de tecidos e modelos de móveis tradicionais), as mobílias mais rústicas (inspiradas do estilo country e próprio das indústrias norte-americanas), e os elementos modernos (coloridos e metalizados em desenhos geométricos e arrojados, trazidos do cotidiano urbano).

Em termos gerais, podemos destacar a exploração de plantas livres e a criação de espaços totalmente integrados, a aplicação de revestimentos tradicionais e rústicos, como tijolos, concreto e acabamentos naturais.

Também fazem sucesso as tubulações aparentes, citadas anteriormente, em combinação com o piso em concreto, madeira ou cimento queimado. Mantendo a estética industrial, as janelas e portas permanecem grandes e amplas, feitas de materiais como ferro, madeira e vidro, valorizando a luz natural e a iluminação do espaço.

A decoração fica por conta de promover o ar vintage com móveis em madeira e metal, além de elementos utilizados nas fábricas, como luminárias pendentes, luminárias em trilhos, estantes de aço, baús, barris, cordas e caixotes ou pallets.


Dicas e inspirações

A estética diferenciada pode se tornar um desafio quando consideramos a elaboração de espaços práticos e elegantes. Confira as dicas para alcançar a harmonia entre o estilo, a funcionalidade e a beleza do espaço:

1. Minimalismo + Industrial

O minimalismo é reconhecido mundialmente como um estilo clean que promove a redução dos artigos de decoração e a valorização dos detalhes, que guia também o design simplificado de algumas peças.

Aliando os princípios da arquitetura minimalista e as características industriais, invista em poucos móveis do estilo, selecionando aqueles que realmente fazem a diferença e garantem o charme.

Com o lema “menos é mais”, o ambiente não fica carregado com muitas informações, apresentando mais suavidade e sofisticação. Não se esqueça de valorizar móveis funcionais e versáteis.



2.0 High-low

Derivada do mundo da moda, a decoração high-low mistura e equilibra artigos de alto valor agregado com itens comuns e acessíveis, muitas vezes antigos ou garimpados.

Essa contraposição pode ser utilizada para garantir a sofisticação em ambientes industriais. Isto é, a harmonização entre as peças industriais e os elementos mais rebuscados e finos adapta o estilo à decoração cotidiana e mais elaborada.

Os ambientes que apostam no charme do contraste também aproveitam peças que combinariam melhor em outro contexto, mas que se tornam notáveis quando misturadas. Esse efeito pode ser criado com a oposição dos itens decorativos e a aparência crua do espaço.

Mas é preciso ter cuidado para assegurar que as peças conversem entre si e para não exagerar na quantidade de itens.

3. Trabalhe com materiais variados

Seguindo a variedade do high-low, a aplicação de diferentes materiais pode garantir um toque a mais de sofisticação e de bom gosto.

Entre os materiais mais utilizados no estilo, destacam-se os tecidos como a sarja e o couro, que apresentam estruturas mais sólidas e resistentes. Os móveis, em geral, são de ferro e de madeira, mas, para variar, podem ser de aço corten e inox. Eles também apresentam características mais despojadas, ou seja, superfícies desgastadas e mais antigas.

Você pode acrescentar uma variedade de materiais — como tipos de vidro, amadeirados, tecidos de pelos sintéticos, plástico, cortiça e cobre —, a fim de ampliar as sensações e personalizar o espaço.

Para aproveitar bem os materiais, o legal é investir em alguns móveis com desenhos diferenciados e arrojados, fugindo dos modelos mais simples.

Outra dica é construir o espaço com móveis que não tragam um aspecto muito pesado. Os mais indicados têm design reto, com traços geométricos ou formatos clássicos.
4. Invista nos revestimentos para piso

A decoração sozinha pode não cumprir o papel de transformar o ambiente, por isso, a escolha dos revestimentos tem importante papel na composição do espaço.

O estilo industrial exige pisos com visual mais simples e inacabado. Mas, para garantir mais conforto, o mercado oferece diversos materiais que reproduzem as características visuais comuns da alvenaria, como cimento e tijolos, e que ainda trazem maior durabilidade e segurança.

Os pisos dos ambientes fabris tendem a ser de cimento queimado ou de madeira. Esses dois materiais são facilmente simulados em peças de porcelanato.

O porcelanato amadeirado, inclusive, pode reproduzir uma infinidade de espécies naturais de madeira em formatos de tábuas ou em peças quadradas, e é vantajoso por ser muito mais durável e apresentar alto desempenho.

Para os porcelanatos que reproduzem concreto e cimento queimado, aposte em linhas e materiais que façam uma releitura do estilo aplicado nos anos 60, por exemplo, de forma mais natural e moderna — com nuances e relevos mais suaves e, ao mesmo tempo, característicos do concreto.

O porcelanato é tão versátil que pode reproduzir, também, pedras nobres e materiais metálicos, além de poder ser aplicado em paredes, áreas externas e bancadas (de acordo com as indicações do fabricante).


5. Destaque para as paredes

Tão importantes quanto o piso, as paredes com revestimentos podem mudar o ambiente e fazer a diferença. Apesar de o estilo industrial pedir materiais com aspecto inacabado, as paredes, assim como os pisos, podem aparecer de diferentes maneiras e ainda, garantir a beleza fabril.

Além disso, é possível aplicar revestimentos como tijolos e pastilhas em formatos de blocos ou mesmo não revestir, aproveitando a própria estrutura da construção.

As paredes são espaço para expor obras de arte, peças de decoração e luminárias, que também reforçam o estilo e podem conferir mais elegância. Capriche nesse aspecto!
6. Cores para harmonizar o ambiente

A paleta de cores do estilo industrial conta com colorações e tons neutros, os mais comuns são: branco, cinza, marrom, preto, gelo e bege. Todas essas cores combinam entre si e transmitem a elegância e a sobriedade desejadas. Entretanto, podem deixar o ambiente um pouco sem vida.

Complete o espaço com cores vivas — que podem ser pontos de luz — a fim de conferir personalidade.

Viu como o estilo industrial pode ser chique e elegante? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário