quinta-feira, maio 02, 2019

Pérgola

Pergolado, Pérgola e Caramanchão




Os pergolados, também chamados de pergolas, são uma forma de criar ambientes em áreas externas para que possam ser desfrutadas também em dias de muito sol. Quando recebem cobertura de vidro ou policarbonato protegem também da chuva.

Eles podem ser montados ou construídos num cantinho, no centro de um jardim, num caminho ou até no prolongamento do corpo da casa formando uma varanda, como vocês podem conferir nas imagens abaixo.


As áreas externas podem proporcionar ótimos recantos de lazer. Quem tem os pátios externos, pode tirar proveito desse espaço com o uso de pérgolas.

Os pergolados são estruturas leves, normalmente de madeira, mas também podem ser constituídos de ferro, bambu ou concreto e as ripas tem a função de controlar a incidência de sol no ambiente.


 Selecionei então fotos de pergolados que vêm me chamando atenção. Há modelos de todos os tipos, feitos de madeira, bambu, de alvenaria, com as colunas de pedras (eu acho que materiais naturais sempre ficam bem em áreas externas).








Caramanchões: Os caramanchões são as maiores e mais caras estruturas para as trepadeiras. Construídos com fortes colunas e réguas, eles são adequados para grandes e médios jardins. De madeira maciça, metal ou concreto, os caramanchões são feitos para durar. Por isso suas colunas devem ser chumbadas ao terreno com concreto, protegendo-se assim sua estrutura dos tombamentos e da umidade.

Os caramanchões são espaços de descanso e lazer, que podem ser utilizados isolados ou para integrar áreas ao jardim. Com móveis próprios para exteriores eles se tornam verdadeiras salas de estar ao ao livre. Democráticos, eles podem combinar com diferentes estilos paisagísticos. Madeiras rústicas e com pouco acabamento combinam com jardins tropicais, enquanto que as estruturas de alvenaria, metal e madeira lisa vão bem com jardins mais clássicos e contemporâneos.

A altura dos caramanchões deve ser de no mínimo 2,5 metros, para que as pessoas mais altas possam usufruir do espaço com conforto. Por serem estruturas mais altas, próprias para serem admiradas de baixo também, os caramanchões podem ser revestidos com trepadeiras de flores pendentes, como a sapatinho-de-judia e a trepadeira-jade por exemplo. As frutíferas também são excelentes para este tipo de estrutura, como a videira, o kiwizeiro e o maracujazeiro. Caramanchões utilizados como garagem exigem trepadeiras que não larguem flores ou frutos capazes de manchar os automóveis.


Pergolados: São suportes mais leves que caramanchões e podem ocupar espaços menores. As pérgolas são formadas por uma ou duas séries de colunas paralelas. Elas podem ser de madeira, metal, concreto ou bambú e servem para proteger e criar espaços de lazer e interação com a natureza. Podem ser colocadas em varandas, garagens, jardins internos, sobre bancos ou simplesmente para proteger outras plantas, como um pequeno orquidário por exemplo.

A própria estrutura da pérgola é capaz de sombrear parcialmente os ambientes, mas é com as trepadeiras que elas ficam completas. Dependendo da sua necessidade e desejo, pode-se escolher trepadeiras vigorosas que sombreiem bem a área, como a tumbérgia-azul, ou mesmo trepadeiras leves e anuais, que acrescentam graça ao local sem pesar no visual, como a clemátis e a amarelinha.

Neste tipo de estrutura qualquer trepadeira vai bem, basta respeitar as particularidades de cada espécie e adequá-la ao material utilizado no pergolado. Trepadeiras lenhosas e pesadas exigem uma estrutura mais reforçada, enquanto que as herbáceas e mais delicadas vão bem em qualquer tipo de material.

domingo, abril 07, 2019

Descubra 6 jeitos de usar o granilite

O revestimento volta a ser tendência na decoração

    O revestimento resultado da mistura de cimento, água, areia e partículas minerais é resistente, duradouro e de fácil limpeza. Muito usado nos anos 1940, está de volta com tudo e aparece em novas cores, texturas, sendo aplicável a diversos estilos. 


     Para criar uma atmosfera marítima para esse café localizado em Adelaide, na Austrália, o Sansarc Studio misturou as texturas do granilite azul, travertino cinza texturizado e madeira manchada. 


A bancada da cozinha desse apartamento em Bruxelas, projeto do Atelier Cialect, tem desenho recortado e revestimento em granilite terracota, que complementa o efeito suave do rosa das portas dos armários.


Nesse apartamento em Turim, original do século XIX e reformado pelo escritório Marcante Testa, a opção pelo piso de granilite, combinado a móveis e acessórios de outras épocas reforça a atmosfera vintage. 


O banheiro idealizado por Yaroslav Priadka explora o recurso da parede bicolor, com o uso do revestimento na parte inferior. A combinação com cuba e bancada coloridas dá ainda mais personalidade ao projeto. 


No banheiro projetado pelos arquitetos ucranianos Azovskiy Pahomova, o granilite em tons neutros foi usado no piso, contrastando com a madeira das paredes.


No charmoso hotel Marie-Sixtine em Paris o revestimento em granilite é combinado com a cuba vintage e misturador industrial.


Fonte: Casa Vogue

segunda-feira, março 25, 2019

Pisos e paredes geométricos: 10 ideias para adotar a tendência


Recurso deixa qualquer ambiente mais descontraído e elegante


Do hall ao lavabo, pisos e paredes geométricos são elementos capazes de deixar qualquer ambiente mais descontraído e elegante. Além disso, a possibilidade de criar padrões únicos acrescenta personalidade aos espaços, independentemente do estilo escolhido para o décor. A seguir, veja 10 ideias para adotar a tendência.



Colorido e ousado

No projeto assinado pelos arquitetos do Tham & Videgård Arkitekter o tradicional piso de taco ganha diversas cores que trazem vida a todos os ambientes da casa. A posição das peças cria um degradê que delimita os espaços de maneira fluida. Para dar ainda mais ênfase ao colorido, todos os móveis são totalmente brancos.



A transição entre a sala e a cozinha deste apartamento se dá de forma suave graças aos ladrilhos brancos e azuis que avançam rumo ao piso pintado de preto. A composição faz um interessante contraponto às vigas e colunas de concreto aparente.




Nesta cozinha o preto e o branco dos azulejos hexagonais tomam conta do piso e das paredes, misturando-se e criando uma ilusão visual em que não se sabe onde um começa e o outro termina. A madeira clara complementa o ambiente.



Boas-vindas

Quem disse que o hall de entrada precisa ser sem graça? Aqui o espaço ganha um toque inusitado graças à mistura entre o piso frio de azulejos e os tacos de madeira.


Subindo pelas paredes

Os ladrilhos hidráulicos hexagonais em tons de azul com listras brancas dividem as atenções com a banheira neste ambiente minimalista e cheio de personalidade. Ao avançar pelas paredes, a composição vai se fragmentando até desaparecer.



Abre-alas

Não bastasse a escada escultural formada por blocos e plataformas de madeira com suporte de metal, esta casa siciliana reformada pelo arquiteto Francesco Librizzi exibe uma incrível composição de ladrilhos hexagonais de diversas cores.


Efeito tridimensional

Os proprietários desta casa propõem uma brincadeira com os diferentes formatos de ladrilhos da Mercury Mosaics. Cada peça, cortada e pintada à mão, nunca é igual à outra. Tirando partido disso, eles conseguem um resultado elegante e com toques de humor.


Cozinha lúdica


Esta cozinha faz parte de uma casa em Londres que foi totalmente reformada para ficar com a cara dos moradores – um casal e suas quatro filhas. Com esse intuito os profissionais do escritório Office S&M apostaram em detalhes preciosos, como os azulejos dispostos em espinha de peixe com rejunte amarelo no frontão da pia. Dá até vontade de lavar louça!


Verde que te quero ver

Um tom de verde profundo foi escolhido para este lavabo em estilo contemporâneo. A bancada de concreto complementa a ambientação, com direito a acessórios minimalistas e plantas secas.



Assimetrias no banheiro

Azulejos com pinturas assimétricas azuis e pretas conferem ares modernos a este banheiro totalmente branco. O uso da geometria no piso e em uma parte da parede é o que faz a diferença no resultado.

Fonte : Casa Vogue

quarta-feira, março 13, 2019

Expo Revestir 2019 - Portinari

PORTINARI INOVA E APRESENTA PORCELANATOS TÉCNICOS COM DESIGN
Com tecnologia exclusiva, o Pietra Portinari Prime é uma nova categoria de produtos e será apresentada na Expo Revestir 2019 



Uma das maiores empresas de revestimentos cerâmicos do Brasil, a Portinari, apresentará, na Expo Revestir – de 12 a de 15 de março, em São Paulo - uma nova categoria de produtos: o Pietra Portinari Prime – porcelanato técnico com design de alta performance. Esta nova categoria conta com cinco novas coleções, que além da alta durabilidade e resistência, possuem tecnologia de impressão digital.

“Com esses lançamentos, trazemos ao mercado uma nova tecnologia que permite a impressão digital, também, em porcelanatos técnicos, algo inédito no Brasil”, revela Gelcy Torquato, diretor de marketing da Portinari.

Resultado de uma série de investimentos em pesquisas e equipamentos, os produtos, indicados para uso em locais de alto tráfego, como ambientes comerciais, são inspirados em pedras naturais, como o mármore e o granito. “Os benefícios e vantagens técnicas do Pietra Portinari Prime são muitos. Ao contrário das pedras naturais, o produto é altamente resistente e se destaca pela beleza, durabilidade e alta resistência”, explica Torquato.



A nova tecnologia permite unir, em mesmo produto, a superfície polida, o design de alta definição e a resistência superior. Para isso, foi criado um novo processo de impressão digital, que penetra no corpo do produto, tingindo a massa porcelânica em profundidade. “Além do design e cores aplicadas nas peças, o brilho e o reflexo também são destaques nos lançamentos”, afirma Torquato, dizendo que essas novas coleções chegam para atender a uma demanda existente no mercado, a de produtos de alto tráfego com design, levando sofisticação a mais ambientes.

Além dos porcelanatos polidos, essa nova categoria de produtos traz, também, peças com acabamentos natural e antiderrapante, diferencial que o torna solução completa para ambientes internos e externos. Agora aeroportos, shoppings, hospitais, auditórios, hall de edifícios, magazines, supermercados, lojas de departamento, padarias, salão de beleza, entre outros estabelecimentos, podem ter o tão apreciado reflexo, brilho e delicadeza visual, ao mesmo tempo que podem contar com a mais alta resistência e durabilidade.




Conheça as coleções:

Coleção Artemis: A pedra ágata, quando cortada ao meio, traz à tona brilho, transparência e linhas que evidenciam delicados desenhos. Essa foi a inspiração para a criação desta coleção, que reproduz detalhes dessas pedras. Além do uso em paredes e chão, as peças da Artemis podem ser lapidadas e exploradas em grandes e requintadas bancadas com um acabamento uniforme e perfeito.


Medidas disponíveis: 60x120cm e 90x90cm

sábado, março 09, 2019

Rodapé Convencional, Embutido e Invertido.

A função do rodapé é dar acabamento na junção entre piso e parede além de proteger a base da parede contra batidas de móveis e objetos como vassouras e rodos por exemplo.

O rodapé é um acabamento colocado APÓS a colocação do piso pois ele disfarça as imperfeições das réguas quando encostam nas paredes, lembrem-se que as paredes geralmente estão fora de esquadro por isso o recurso do rodapé ajuda muito no acabamento final. Além disso o rodapé protege as paredes de eventuais sujeiras ou panos de chão! Se forem de madeira resistem bem mas quando pintados de branco provavelmente terão que ser retocados de tempos em tempos dependendo do cuidado do dono da casa.

A altura padrão gira em torno de 10 cm a 15cm e isso vale para todos os tipos de piso. No entanto, as peças altas (de até 30cm de altura) Estão sendo muito usadas! Principalmente na cor branca ou em granito para banheiros e lavabos. Além de ressaltar a cor da parede e a tonalidade do piso, o ambiente parece ter mais profundidade. Existem, inclusive, alguns modelos empilháveis, que podem ser instalados um acima do outro.

Existem vários tipos de rodapé 







Rodapé Convencional 

A função de um rodapé convencional é dar acabamento na junção entre o piso e a parede, e protegâ-la contra impactos.Após a instalação ele deixa um ressalto para fora da parede  de 1 cm a 2cm  dependendo do material utilizado. 





Rodapé Embutido 

Você conhece o rodapé embutido? Trata-se do mesmo pedaço de piso cortado para rodapé, só que instalado alinhado ao reboco.

Para que isso aconteça é indicado que seu pedreiro na hora do reboco deixe a parte de baixo da parede sem rebocar. O ideal é que você saiba a altura do rodapé que irá coloca e para definir é sempre bom considerar a dimensão do piso, dividido em partes iguais.

A tendência é utilizar um rodapé mais alto, portanto se seu piso é de 80x80cm que tal dividir em 5 partes iguais de 16cm cada? Dependendo da mão-de-obra disponível e da área de instalação do rodapé, solicitar o corte em uma marmoraria, pois com as serras de lá, os riscos de quebra e consequentemente de desperdício diminuem.


Vantagens:
- Fica rente com a parede permitindo que os móveis fiquem bem encostados nela
- Não junta poeira igual o rodapé comum
- O espelho pode continuar até o chão, sem ter que tirar o rodapé ou ter que parar nele. (esse item é aconselhável apenas em casos onde o espelho não fique na mira dos pés)


Desvantagens:
- como os móveis ficam rentes com a parede, nesse caso, a chance de ter a parede riscada é maior, mas isso acontece só com os móveis que não são fixos.


Vale lembrar que esse tipo de rodapé só fica bonito se tiver um ótimo acabamento e fica melhor ainda se for retificado, pois se tiver a borda meio arredondada o rodapé não fica totalmente rente com a parede.


Rodapé Invertido ou Negativo






Um perfil de alumínio é instalado em um recuo na base da parede como um L invertido
O valor do produto não é muito alto, por exemplo, uma peça de 200 x 5 x 1 custa em média R$ 39,00* se comparado com uma barra de rodapé de poliestireno que dependendo da marca e da altura pode chegar a R$ 120,00 por barra ou mais sem tiver detalhes e desenhos específicos.


Entretanto, o custo da mão de obra do rodapé invertido tende ser maior pois o trabalho a ser executado é mais demorado. O ideal é já decidir o tipo de rodapé na fase inicial da construção ou da reforma, assim, pode negociar um valor de pacote com a empreiteira ou construtora.

Se tem um detalhe que pode fazer uma grande diferença em um ambiente é o rodapé. Mesmo quem não dá a menor importância para ele, percebe quando o ambiente não tem esse acabamento. Afinal, além de proteger a base da parede, o rodapé ajuda a emoldurar o ambiente e hoje já é usado como elemento decorativo, existindo inclusive, vários tipos de rodapé para investir na decoração da casa para deixar o acabamento muito mais bonito.^




Materiais para o rodapé:

 Madeira e MDF

A textura da madeira ajuda a dar um toque sofisticado ao rodapé e é normalmente mais alto que o rodapé comum. É um dos tipos de rodapé fácil de encontrar e aplicar e, no caso do MDF, pode ser pintado ou texturizado.
É preciso apenas ter cuidado com contato com água e combinação com piso de madeira – a mistura de dois tons, no piso e rodapé, pode ser arriscada.

 Mármore ou Granito

A nobreza das pedras faz deste um dos tipos de rodapé com acabamento bonito e resistente, mas são indicados para as áreas úmidas, como cozinhas, banheiros e saunas.
Por ser um material mais caro, aumenta o custo da obra e é preciso ter atenção com o lote de pedra comprado, pois uma mesma pedra pode ter diferentes tipos de padronagens.

Tipos de Rodapé: Porcelanato e Cerâmica
Ainda o tipo mais popular e amado dos brasileiros, a cerâmica é um dos tipos de rodapé fácil de combinar, tem boa durabilidade e é ideal para áreas úmidas. As opções em porcelanato podem 
reproduzir pedras ou madeira, deixando seu projeto ainda mais sofisticado.

Outros Tipos 
Hoje existem também outros tipos de rodapé, como poliestireno expandido (EPS), plástico, gesso e cimento. Ao escolher o material, leve em conta que ele também deve ajudar a vedar e proteger a junção entre a parede e o piso.

O rodapé de EPS é uma novidade no mercado, feito a partir da reciclagem de isopor, carcaças de computador, etc. Além de resistentes e modernos, são ecologicamente corretos e fáceis de instalar.
Cores e Padronagens para Rodapés

Por ser um item de acabamento com uma função de emoldurar a parede, o ideal é usar tons mais neutros nos tipos de rodapé. Mas ele não precisa ser todo branco: a tendência é combinar a cor do rodapé com a parede ou com a guarnição da porta.

O uso do rodapé branco continua em alta com paredes coloridas. Nesses casos, eles são mais altos, acima de 15 cm e, por isso, devem ser usados em locais amplos e de pé direito alto.

Pisos de madeira podem ter rodapés de madeira ou de MDF (MDF é a sigla internacional de Medium Density Fiberboard, que significa placa de fibra de média densidade) pintado de branco, depende da cor dos alisares e das portas pois o melhor é acompanhar o mesmo padrão. Um piso de mármore claro pode ter rodapé do próprio mármore, de madeira ou branco. Pisos de porcelanato podem ter o rodapé em madeira ou pintado de branco, nós não curtimos muito o rodapé feito de porcelanato, os rejuntes se tornam um problema. Gosto não se discute, o que realmente não funciona muito bem é a mistura dos materiais, não vale inventar!

Hoje temos no mercado um rodapé vendido à metro já com acabamento branco pronto para ser instalado, acabando assim com a tarefa complicada de aplicar massa, lixar e pintar. Eles são feitos de poliestireno, resistentes e fáceis de limpar.

Então surge a dúvida: Colocar o rodapé invertido e não me preocupar com cores ou acabamentos nos rodapés?

Tudo tem suas vantagens e desvantagens, o rodapé invertido precisa ser muito bem instalado com uma cantoneira de alumínio em forma de “L” feita para ser colocada para dentro da parede pertinho do piso, assim a sensação será de parede flutuando sem encostar no piso, fica belíssimo. Por outro lado a quina da parede fica mais exposta e os cuidados com a vassoura precisam ser redobrados.




Ralo Linear Tiny - O que você precisa, em um ralo compacto!

Espaços privados cada vez menores, construções enxutas, smart cities. Essas são algumas das tendências que estudiosos, construtoras e entidades ligadas ao setor estão apontando para os próximos anos. 

E foram elas que pautaram a criação do Ralo Tiny, lançamento da Ralo Linear na Expo Revestir 2018.




Tampa Inox:






Tampa Vazada:







Tampa Oculta:




O Ralo Linear Tiny, com menos de 25cm de comprimento, é feito 100% em aço inox 304 e conta com os exclusivos acessórios Grade Retentora e Fecha Ralo:






A Grade Retentora foi desenvolvida para prevenir a caixa sifonada de entupimentos, nela ficará parada todo tipo de detritos (cabelo, resto de sabonete, gordura corporal...). Além facilitar a limpeza do ralo a grade ajuda a evitar que insetos indesejados subam do esgoto pelo ralo e previne a rede de entupimentos.




O Fecha Ralo é uma válvula que abre somente para a passagem da água e fecha automaticamente assim que o escoamento termina. O sistema impede o acesso de insetos ao ambiente, ameniza gases da tubulação e refluxo de água ou espuma, para proteção e conforto de toda família. Feito 100% em PVC, evita manchas e oxidações mantendo um perfeito funcionamento, além de ser fácil de instalar e simples de remover para limpeza.


sexta-feira, janeiro 11, 2019

3 dicas para escolher uma coifa


    O modelo mais indicado para a sua casa, a vazão ideal e o modo de funcionamento: confira o que é preciso saber para fazer uma compra certeira

     Reunir os amigos para cozinhar um prato especial é um daqueles momentos que ficam guardados para sempre na memória. Por isso, vale tudo para tornar o encontro o melhor possível, certo? Assim, um dos cuidados para tomar na cozinha é com a escolha da coifa – será ela, afinal, a responsável por minimizar aquele cheio de comida que pode ficar em excesso no ambiente, entre outras funções.




Coifa de embutir Incasso 75 cm, da Tramontina (Foto: Divulgação)


A seguir, a Tramontina dá três dicas para você entender qual é o modelo mais indicado para a sua casa.

1. Entenda a vazão ideal para a sua cozinha

Para uma coifa ser eficiente, ela deve ter a capacidade de trocar o ar da cozinha no mínimo 12 vezes por hora. Mas como calcular a vazão ideal para o seu espaço? Observe a imagem abaixo e siga a seguinte fórmula de cálculo: A x B x C x 12 = m3/hora. O resultado irá mostrar a vazão de que precisa.





Meça a largura, o comprimento e a altura sua cozinha conforme você vê na figura e substitua os resultados pelas letras A, B e C da fórmula. Por exemplo: em uma cozinha de 4m x 3m, com pé-direito de 2,7m, o cálculo será: 4 x 3 x 2,7 x 12 = 389m3/hora. Nesse caso, portanto, a coifa deve possuir a vazão mínima de 389m3/hora.

Ponto de atenção 1: em projetos em que a sala e a cozinha são integradas, deve-se considerar a dimensão total do ambiente. 

Ponto de atenção 2: para que os dados acima sejam válidos, certifique-se de que a coifa tenha a vazão declarada conforme a norma IEC 61591 – infelizmente, algumas marcas vendidas no Brasil não mencionam a vazão dessa maneira, ou seja, você pode estar comprando algo que não necessariamente irá valer a pena.

2. Saiba qual é o modelo e o tamanho mais adequado

Há no mercado diversos modelos de coifa, que se encaixam nos mais variados projetos de cozinha. Veja quais são eles:

• Para fixação na parede, sobre fogões ou cooktops.




Coifa de parede New Colorful com pintura automotiva 90 cm, da Tramontina (Foto: Divulgação)

• Para fixação no teto, instaladas sobre fogões ou cooktops montados em ilha.




Coifa de ilha New Dritta Isla 90 cm, da Tramontina (Foto: Divulgação)

• De embutir: são as coifas fixadas no móvel sobre o fogão ou cooktop. O modelo fica quase imperceptível no projeto.

Coifa de embutir Incasso 75 cm, da Tramontina (Foto: Divulgação)


Em relação ao tamanho, observe o seguinte:

• A largura do cooktop ou fogão em relação à coifa: para um bom funcionamento, o ideal é que ambos tenham a mesma medida, ou que a coifa seja maior. Caso contrário, os vapores gerados poderão ser desviados por correntes de ar laterais.





• A altura do pé-direito: antes de adquirir uma coifa é preciso avaliar a altura do pé-direito da sua cozinha. Se ele for maior que o padrão (mais do que 2,8 m), certamente você irá precisar de uma ou duas chaminés complementares para a instalação. O fabricante pode apresentar opções para aumentar a altura do produto, mas o ideal é optar por uma chaminé original de tamanho superior, assim você garante um acabamento perfeito.




3. O modo de funcionamento: exaustor ou depurador?

Por fim, observe de qual dessas maneiras a coifa pode ser instalada. 

• Exaustor: esta é a escolha mais indicada. Nesse modo, a coifa fará a absorção da gordura nos filtros metálicos e conduzirá os vapores e odores do cozimento diretamente para o ambiente externo por meio de um duto. Para fazer a instalação nesse modo, você vai precisar de uma saída externa com diâmetro de 150 mm, que pode ser feita no teto ou na parede.





• Depurador: se não der para instalar a coifa em modo exaustor, pode-se fazer a instalação no modo depurador. Nesse caso, a coifa irá reter a gordura do cozimento num filtro de alumínio, enquanto os odores serão absorvidos por um filtro de carvão ativado. O ar será renovado e devolvido ao ambiente interno da cozinha por meio de furações laterais na chaminé superior.






fonte: https://casavogue.globo.com/promocasavogue/promocasavogue1/noticia/2018/11/3-dicas-para-escolher-uma-coifa.html